segunda-feira, 26 de julho de 2010

Sonho

"Então do devaneio restou o medo, ao acordar, a incerteza. E se todos os fatos que que um dia lhe contaram sobre realidade, não passasse de irrealidade? A sensação era estranha, as mãos trêmulas, os dentes trincados, os suor escorrendo-lhe pelo rosto e o olhar tentando não percorrer os cantos escuros do quarto, com medo de ver o que já havia visto. E se não houvesse mais volta?"

Um comentário:

  1. A leitora se sentiu como a personagem, envolvida em paranóia..

    ResponderExcluir