domingo, 26 de setembro de 2010

Autocontrole

Quero um pouco de mim, quero me sentir no controle e conseguir expor meus versos assim:
sem tu nas entrelinhas, sem teu nome no verso, sem a tua lembrança claramente estampada com a tinta da minha caneta. Quero a minha paz o meu mundo de volta.
Me ensina! Quero ser assim, altiva, controlada um verdadeiro poema de rimas marcadas, aonde está escrita uma linda história, mas que não deixa dúvidas quanto ao final. Tão triste e vazia que acaba se tornando um poema normal.

Nenhum comentário:

Postar um comentário