sexta-feira, 18 de janeiro de 2013

Não... não dou licença.



Será que dá pra não pedir licença? Vejo que a qualquer momento começarei a receber ligações pedindo reservas "Ó eu to chegando, guarda tempo na tua vida e espaço no teu coração pra mim?". Gente eu não funciono assim! Eu não sei exatamente o que houve com as pessoas mas o romantismo sumiu e o frio na barriga parece um ato de extrema rebeldia.
Entra aí e vai se aconchegando. Acha um espaço pra você e se for pra me transportar pra outra realidade, que esse outro lado me faça MUITO feliz. Não me convide para aproveitar a paz de um silêncio a menos que queira me escutar roncando no seu ouvido. Eu não gosto de ver tv, detesto ver tv, de cultura inútil basta o monte de bobagem que eu tenho que escutar todo dia. Conheça os meus amigos, assista aos meus filmes prediletos, frequente os locais que eu frequento e de preferência faça tudo isso antes de dizer que me quer na sua vida. Mergulhe na minha realidade a ponto de conseguir ver a mesma poesia que eu vejo quando a chuva bate na janela. E se não fizer tudo isso ao menos tenha a decência de não exigir nada.
Não faço reservas, não arranjo lugares. Quem permaneceu na minha vida procurou bem por um lugar confortável no meu coração e se aconchegou na minha realidade. Eu, eu, eu... a dor resulta em um egoísmo vergonhoso! No fundo ainda sonho com alguém que tenha coragem suficiente pra não pedir licença porque o que me falta mesmo é coragem de dar permissão de entrada.

Nenhum comentário:

Postar um comentário