quarta-feira, 16 de novembro de 2016

Tão pouco



Eu não quero e não vou te falar sobre como me sinto só. Não quero mais uma vez te ver sorrindo do meu "drama" e passando a mão na minha cabeça como se eu fosse um cachorro e devesse me contentar com esse gesto.
Mas eu também não vou ficar sempre aqui, esperando você sorrir pra eu poder sorrir também. Esperando você deixar eu te tocar sem ficar inventando motivos pra me afastar. Dói sabia? Dói muito. Então vê se para de fazer cara feia quando eu me afasto, para de achar que tem razão quando se sente só e quer o meu abraço. Ta na hora de aprender que, na vida, a gente precisa dar para receber.
Cresce e decide quem quer ser, ao menos uma vez vê se facilita as coisas pra mim. Seja paz ou vai embora, porque esse misto de frieza com carência é démodé, é feio, não tem graça.
Você é a promessa de algo que não acontece nunca, é o "quase", é a frustração de ver todas as minhas forças sendo jogadas no lixo porque eu não sou suficiente pra te satisfazer. Você é a minha melhor amiga gritando no meu ouvido que eu preciso PARAR de colocar a minha felicidade nas mãos dos outros e seguir em frente, que eu preciso seguir em frente. Sozinha.

Nenhum comentário:

Postar um comentário